Make your own free website on Tripod.com

RECONCILIADOS COM DEUS

 

 

Introdução:

Muito se tem falado ultimamente sobre a 'conversão' de pessoas famosas, ídolos de futebol, artistas, etc. Muito se tem falado em perdão dos pecados e reconciliação com Deus. Mas será que estão sendo fiéis à realidade bíblica da conversão e da reconciliação com Deus? Será que a mídia está sendo honesta e mesmo os pretensos conversos estão sendo honestos ao afirmarem que 'nasceram de novo'?

Neste pequeno tratado veremos as características da verdadeira conversão. Veremos um pouco das características do crente verdadeiramente reconciliado com Deus.

 

A Barreira de separação e a quebra dessa barreira

"mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça" Isaías 59:02.

Ao homem pecador, pecado se tornou uma barreira de separação para que alcance Deus. Um muro tão alto e resistente, que, por si só o homem enfermo do pecado não pode transpor. Essa separação, advinda pelo pecado, foi rompida por Deus, através de Cristo, que derrubou a barreira de separação que impedia o homem (e a mulher) de se aproximar de Deus (Efésios 02:14).

"Mas todas as coisas provêm de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação; pois que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões; e nos encarregou da palavra da reconciliação". (II Corintios 5:18,19).

Após a quebra da barreira, Deus nos encarregou da palavra da reconciliação (II Corintios 5:19). Reconciliação esta proveniente somente através do Filho unigênito de Deus, oferecido para quebrar a barreira pelo amor imensurável de Deus.

 

Reconciliados em e por Cristo

Deus fez Sua parte, no processo de reconciliação em Ele e a humanidade. Ele deu o que de mais precioso tinha: Seu Filho unigênito. Através do sangue de Cristo a inimizade pode ser quebrada. "Porque se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela Sua vida." (Romanos 5:10). Após a reconciliação, seremos salvo pela vida de Cristo, aqui agora e definitivamente na Sua vinda.

Deus estava em Cristo, reconciliando o mundo e não lhes impondo seus pecados (II Corintios 5:19). Assim o amor de Deus foi expresso de forma inegável e a todos manifestado. Deus optou em fazer o que o homem pecador estava impossibilitado de fazer devido a seus pecados. Deus proveu o resgate e rompeu a barreira de separação, provendo um substituto condenado à morte pelos pecados do homem, em tudo perfeito e justo, de ordem infinitamente superior, fornecendo a opção de resgate ao mundo.

 

Objetivos da Reconciliação com Deus

Quais são os objetivos da Reconciliação com Deus? Alguém poderá dizer: "Para que o homem possa ter vida eterna".   Enganam os que pensam que o objetivo de Deus em oferecer Cristo é somente para que o homem tenha vida eterna. A vida eterna é uma das conseqüências do resgate oferecido por Deus. Há algo muito mais superior que a vida eterna, almejada egoisticamente por alguns que se declaram cristãos.

"A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis". (Colossenses 1:21-22). Veja também Efésios 5:27.

"Portanto santificai-vos, e sede santos, pois Eu Sou o Senhor vosso Deus". (Levíticos 20:07).

Um dos objetivos da Reconciliação é, sem dúvida a concessão da vida eterna aos crentes, mas é uma conseqüência de uma vida de santificação. Os objetivos primeiros da reconciliação com Deus é a santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor Jesus (Hebreus 12:14). Aí sim, o crente estará apto a tomar posse da vida eterna, que era o plano original de Deus. (Mateus 25:34).

 

Características dos que foram de fato reconciliados com Deus (se converteram verdadeiramente)

Deus não requer ou aceita nada menos que a santidade. "Sede santos por que Eu Sou Santo" (Levíticos 20:07). A Santidade não é alcançada pela guarda da Lei de Deus, mas, da mesma forma que a Justificação, é imputada por Deus ao que lhe submete os desejos do coração. Após a justificação, a Lei de Deus será escrita no coração e manterá o crente na trilha da santificação (II Corintios 3:03 – Ezequiel 36:26).

"Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo. Ora, o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre." (I João 02:15-17)

A seguir veremos algumas das características dos que foram verdadeiramente reconciliados com Deus (converteram de fato) e dos que tentam mostrar que estão convertidos (sem de fato estarem convertidos verdadeiramente).

 

1 – Os que se converteram de fato, não anulam a lei de Deus, mas a observam:

"Anulamos, pois, a lei pela fé? De modo nenhum; antes estabelecemos a lei". (Romanos 3:31).

É comum encontrarmos 'irmãos' alegando que vão pecar mais um pouco, pois Deus é amor, e de qualquer forma Deus vai aceitá-los mesmo. Tal atitude vem exclusivamente de um coração NÃO RECONCILIADO COM DEUS, NÃO CONVERTIDO.

"Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?" (Romanos 6:1-2).

"Mas queres saber, ó homem insensato, que a fé sem as obras é inútil?

Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Vede então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé.  Falai de tal maneira e de tal maneira procedei, como havendo de ser julgados pela lei da liberdade . (Tiago 2:20,18,24,12).

 

2 – Os reconciliados com Deus não se ensoberbecem por guardar Sua Lei.

Pela Fé, Deus capacita a todos quanto lhe tornaram por filhos (Romanos 8:16,17) a cumprirem seu dever de guardar Seus mandamentos (Eclesiastes 12:13). Jamais se ensoberbecem de serem melhores que os 'pecadores' por guardar a Lei.

Em nenhuma hipótese, jamais, alegam que a Lei foi suplantada pela Fé (Romanos 3:31) e ainda ensinam sua guarda é um requisito e ao mesmo tempo um agradecimento pela Justificação (Tiago 2:24), pois a fé ou o que se declara ser da fé e não guarda a Lei de Deus, é fé morta (inexistente) (Tiago 2:17).

A Guarda dos mandamentos de Deus é conseqüência natural da Justificação em Cristo, e, os que verdadeiramente se converteram fazem parte do 'resto', do remanescente do Povo de Deus, que guardam seus mandamentos e tem a fé de Jesus (Apocalipse 14:12; Leia Rom 11).

 

3 – Os convertidos verdadeiramente não culpam outros por seus fracassos e pecados.

O Crente genuíno, que exerce fé verdadeira em Cristo e que foi reconciliado com Deus, reconhecem seu estado anterior de pecado e o renuncia, e em hipótese alguma joga a culpa em outros.

Vede o Exemplo de Zaqueu, que ao se converte verdadeiramente e ter sido reconciliado com Deus, não culpou ninguém e nem o governo romano pela corrupção reinante (como nos dias atuais!?!) e se prontificou a reparar os danos ou prejuízos que possivelmente dera. (Vide Lucas 19:8).

O verdadeiro convertido jamais diz: "A culpa não foi minha! Fui vítima das circunstâncias!" Jamais diz, como Adão: "A culpa foi da mulher" (Gênesis 3:12), ou como Eva: "A culpa foi da Serpente" (Gênesis 3:13), mas, o convertido de fato diz, como Davi: "Pequei contra o Senhor Deus!" (II Samuel 12:13 pp). Davi não quis se justificar alegando que fora a mulher como Adão fizera quando Eva comeu o fruto proibido por Deus, mas assumiu seu pecado. Davi não disse que a mulher (Beteseba) havia se exposto e o provocado, mas prontamente ao ser confrontado com o pecado, reconheceu sua culpa. O Interessante neste fato com Davi foi que Deus o conhecia e já o havia perdoado (II Samuel 12:13 up). O Duplo pecado de Davi, adultério e assassinato, pecados dignos de morte, foram perdoados por Deus (Para ler a historia completa deste delito de Davi, Leia II Samuel 11:1 a 2:15).

O verdadeiro crente que conhece verdadeiramente seu Deus, não se esquiva diante da verdade de seu pecado e nem se justifica acusando outros como o fizeram Adão e Eva. Mas, como Davi, mesmo sabendo que seu pecado é passível de morte, o reconhece, assume, arrepende, e o deixa (ver Salmo 51:1-2).

 

04 – Os verdadeiramente reconciliados com Deus mesmo tendo prejuízo garantem o que combinaram.

"A ninguém devais coisa alguma, senão o amor recíproco; pois quem ama ao próximo tem cumprido a lei". (Romanos 13:8).

É lamentável atualmente a falta de 'palavra' que as pessoas têm. Não cumprem contratos, não pagam devidamente as contas. "Sujam" os nomes dos 'amigos'. Entre os que são de Cristo, isto não deve nunca ocorrer. No meio cristão já é comum os dizeres: "Negócio é negócio, religião à parte" ou "Amizade é amizade e negócio é negócio", isto para justificar a falta de escrúpulos em se garantir o que fora combinado ou mesmo pagar dívidas pequenas.

Os que verdadeiramente se converteram a Deus e foram reconciliados em Cristo, garantem o que combinaram, mesmo que levem prejuízo, não tentando mudar o que anteriormente fora combinado. (Salmo 15:4).

Mesmo que em negócios que foram feitos sem a devida reflexão, em promessas que fizeram sem a devida reflexão, os votos matrimoniais que fizeram ou qualquer outra combinação que trataram ou fizeram, o verdadeiro crente garante tudo que foi combinado, sem hesitar.   Como diz um ditado: "Combinado não é caro!". Mesmo tendo prejuízos financeiros, o crente genuíno os garante, pois mantêm sua Palavra (Mateus 5:37) mesmo tendo que enfrentar prejuízos de negócios mal feitos.   O crente legítimo em Cristo não usa de artimanhas e nem volta atrás, mesmo tendo que arcar com prejuízos em negócios mal pensados, não dando prejuízo à outra parte em hipótese alguma (Salmo 15:4).

"Quem, Senhor, habitará na tua tenda? quem morará no Teu santo monte? Aquele que anda irrepreensivelmente e pratica a justiça, e do coração fala a verdade; que não difama com a sua língua, nem faz o mal ao seu próximo, nem contra ele aceita nenhuma afronta; aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado, mas que honra os que temem ao Senhor; aquele que, embora jure com dano seu, não mudaque não empresta o seu dinheiro a juros, nem recebe peitas contra o inocente. Aquele que assim procede nunca será abalado ."  (Salmo 15)

 

Não há Santificação sem Cumprir os votos que se fez e faz!

Como vimos, a finalidade principal da Reconciliação com Deus é a Santificação. Como fruto de uma vida santificada, verdadeiramente reconciliada com Deus, a vida eterna será dada ao crente.   Mas, como parte desse processo de Santificação, o coração deve ser moldado à feitura de Cristo, e então estaremos aptos a cumprir a lei e então "A ninguém devais coisa alguma, senão o amor recíproco; pois quem ama ao próximo tem cumprido a lei". (Romanos 13:8).

Sem a genuína conversão e conseqüente justificação e santificação, o coração não estará apto a cumprir todos os contratos que o crente fez. Não estará apto a cumprir o que combinara como outros seres humanos, com esposa ou marido (no altar), com parceiros comerciais, e, o pior de tudo, não estará apto a cumprir o que combinou com Deus.

Os contratos e combinações, votos e promessas que o crente fez ou faz, devem ser cumpridos, somente os votos que forem claramente contra a Lei de Deus é que podem ser revogados, desde que ninguém seja prejudicado com isto.

Todos os votos do Crente genuinamente convertido e reconciliado por Deus são 'pagos' à risca (Salmo 61:8). Ninguém poderá ser santificado sem cumprir todos os votos que fizera a Deus e aos semelhantes, e o crente que não mantém sua palavra ou é desleal nos negócios que contratou, está brincando com fogo; sob risco de perder a Vida!

 

A Barreira Deus Já quebrou, e agora? Tome posse da Benção!

Muitos crentes dizem: "Toma posse da Benção!", como se a benção de Deus fosse algo tão banal que não requeresse uma abnegação e subordinação a Seus requisitos.

"Laço é para o homem dizer precipitadamente: é santo; e, feitos os votos, então refletir." (Provérbios 20:25).

Os que se converteram de fato e estão reconciliados com Deus já tomaram posse da benção. Deus já é presente na vida deles, através de Cristo. Se por ventura houver feito algum voto ou negócio que mais tarde se mostrou prejudicial, este garante conforme combinou mesmo que tenha prejuízos (Salmo 15:04).

Entretanto devem refletir antes de adquirir um bem ou fazer algum negócio, para poder cumprir com o combinado, e se chegar a fazer algo que depois se arrependa, deverá ter humildade bastante para manter o novo contrato (voto) conforme combinou. Cumpre os votos que fez a Deus (Salmo 61:8) e ao semelhante (Salmo 15:4). Em todos os casos, o crente busca sempre cumprir o que combinou (fez voto). Laço é para o homem fazer votos (contratos) sem refletir (Provérbios 20:25).

Não podemos sair por aí fazendo votos (comprando) e prometendo pagar depois (prestações) sem termos a certeza absoluta de que pagaremos os votos (contas). Toma posse da benção! E não da Maldição! 

Se não foi feito o voto (contrato, promessa), nenhum pecado haverá se não cumprir, pois não foi prometido (Deuteronômio 23:22), mas, se houver feito algum voto (contrato, promessa), cumpra-os para não seres infrator.

 

"A ninguém devais coisa alguma, senão o amor recíproco; pois quem ama ao próximo tem cumprido a lei". (Romanos 13:08). Este é o primeiro passo para a Santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor Jesus. Que possamos permanecer reconciliados em Cristo e para Cristo, e nos abstenhamos de votar (combinar, contratar) sem refletir e o que houvermos porventura votado, seja cumprido para continuarmos reconciliados com Deus e para honra e gloria de Deus e de Cristo.

 

Comunidade Cristã do Advento

comunidadedoadvento@gmail.com

 

Veja também:

A Autoridade Espiritual dos Cristãos

 

 

RETORNAR